Faleceu o grande músico vocalista da Banda gladiadores al griffith na 16 de dezembro, o lendário Albert Griffiths

Faleceu o grande musico vocalista da Banda gladiadores al griffith na noite de terça-feira e a manhã na quarta-feira, dia 16 de dezembro, o lendário Albert Griffiths, e fundador do grupo The Gladiators. Juntamente com Clinton Fearon (vocal e baixo) e Gallimore Sutherland (guitarra base e vocal), Albert criou algumas das mais emblemáticas harmonias vocais do Reggae Jamaicano. O grupo ainda teve outros membros-fundadores – David Webber e Errol Grandison.

The Gladiators é uma importantíssima banda jamaicana de reggae formada em 1968 e muito popular, principalmente, durante a Década de 1970, mas permanecendo ainda uma referência no cenário reggae nas décadas seguintes.

A formação inicial da banda foi formada pelos seguintes integrantes: Albert Griffiths (vocal e guitarra), Clinton Fearon(guitarra e vocal) e Dallimore Sutherland(vocal, baixo e guitarra) e mais os irmãos Alan e Anthony Griffiths.[1]

O líder vocal, principal compositor e formador da banda Albert Griffiths se revezava nos vocais com Clinton Fearon e Dallimore Sutherland demonstrando a grande versátilidade do grupo. Em 1987, Clinton Fearon deixa a banda para seguir carreira solo e decide morar nos Estados Unidos. A maioria das letras e interpretações são de responsabilidade de Albert.[2] O primeiro grande sucesso da banda foi a canção melódica ‘Hello Carol’, em 1968. Os dois álbuns mais famosos são Trenchtown Mix Up (1976) e Proverbial Reggae (1978).

Albert, foi o fundador do grupo. Depois de alguns sucessos como o singles “You Are The Girl”, em 1966, ele recrutou seus amigos de infância David Webber e Errol Grandison em 1968 para formar o grupo vocal original Gladiators. O nome do grupo teria sido sugerido por um passageiro de ônibus durante o tempo de suas primeiras gravações.

O primeiro sucesso do grupo principal foi com o single “Hello Carol” em 1968. Pouco depois, em 1969, Webber foi acometido de doença e foi substituído por Clinton Fearon, um grande amigo de Albert Griffiths.

Clinton Fearon deixa os vocais da banda para seguir carreira solo da mesma forma Grandison deixou o grupo em 1973 para compromissos familiares e foi substituído por Dallimore Sutherland.

Entrevista com Albert Griffiths (The Gladiators) em 1 de maio de 2019

Bem, todos nós trabalhamos como maçons, eu sou maçom e empreiteiro principal, fui eu quem fez todo o trabalho. Eu era o Maçom chefe e empregava o pessoal para fazer o trabalho. Bem, você tem um cara chamado David Webber, ele costumava ser um alfaiate. Ele foi o primeiro irmão com quem canto. Bem, como Clinton Fearon agora, Clinton também é maçom. E eu, ele e Gallimore Sutherland trabalhamos no mesmo prédio.

“A VIDA É DEUS”

Nós sempre jogamos sempre que temos a chance … assim que fizemos o trabalho, nós treinamos. Depois de praticar, praticar e praticar – falei para o meu chefe se ele poderia fazer uma sessão para mim (pagar a sessão). E ele decidiu bem que faria. E a primeira sessão que fizemos foi aquela em que os etíopes tocaram ‘Train To Skaville’ e eu fiz o outro lado ‘You Are The Girl’, que estava no selo Wirl. Depois disso, perguntei ao meu chefe que ele poderia fazer uma próxima sessão para mim. E na próxima sessão faremos ‘The Train Is Coming Back’, que é o disco como The Gladiators.

Que tal ‘You Are The Girl’?
Isso foi por Al & The Ethiopians. O Sr. Leebert Robinson pagou por ambas as sessões. Bem depois disso, vamos para a Ilha do Tesouro. Em seguida, vamos para o Studio One. Fizemos duas músicas para o Studio One. Nunca tínhamos nenhum plano de fazer ‘Hello Carol’. Nunca queremos fazer nenhuma música. Foi o dinheiro que apostamos naquele dia. Nunca fomos cantar. Coxsone não estava lá, então sentamos para esperar e Richard Ace, o organista, perguntou “Qual artista sobrou” ou “Em seguida, qual artista sobrou para gravar”. E eu digo bem, eu e eu vamos para o estúdio e cantamos ‘Hello Carol’.

Você se lembra do nome das duas faixas que você fez primeiro?
Um deles se chamava ‘The Reggae’ e um deles se chamava ‘Sweet Love’.

Você mencionou que fez duas faixas para Treasure Isle, lembra o nome dessas duas?
Um deles se chamava ‘Live Wire’ e o outro se chamava ‘Sweet Soul Music’. Mas agora mesmo encontro ‘Sweet Soul Music’ em um LP do Techniques. Outro dia eu resisti e essa música está em um LP Techniques de Winston Riley.

Ele regravou?
Não, ele não gravou, ele apenas colocou em um LP – veja, depois que Duke Reid morreu, o estúdio caiu nas mãos de uma senhora chamada Sonia Pottinger.

Eu encontrei um single interessante no Studio One creditado a Larry & Alvin chamado ‘Anyway’, mas parece muito com a sua voz?
Awoah! – ‘Fling It Gimme’.

É você nesse registro?
Sim, cara, nós repetimos em ‘Serious Thing’ – (Nighthawk LP)

Quando você foi ao Studio One, você o procurou para fazer algumas gravações?
Eu já fiz as duas primeiras músicas para ele e queria algum dinheiro, mas quando fui para o estúdio nunca o vi, e acabei fazendo uma música para ele que nunca planejei fazer, e essa foi a minha primeira número um – sete semanas em ambas as estações de rádio ‘Hello Carol’.

É uma boa música – Você fez uma boa versão para Tony Robinson.
E fazemos tudo de novo para Eddy Grant.

Oh, o álbum ‘Gladiators’, não gostei muito desse álbum.
Você vê que Eddy Grant realmente não sabe nada sobre música reggae.

Quando você deixou Coxsone?
Nós nunca deixamos Coxsone – Studio One! Sem tempo. Não acredite no que você vê acontecendo. Eu e o Coxsone sempre temos alguma coisa acontecendo. Estamos sempre gravando para o Coxsone – sempre. Sempre que ele me vê, ele sempre diz “Que appn, venha fazer uma música”. De todos os artistas que trabalho no Studio One, acho que sou o único artista que já trabalhei com ele e nunca tive problemas com ele.

Qual era o nome da escola de música que você abriu?
Just Gladiators, escola de música Gladiators.

Quando você abriu, era uma escola para jovens?
Sim, qualquer pessoa interessada em aprender a tocar um instrumento. Geralmente o artista tem alguma música que ele faz, mas não tem … não está arranjado, não tem começo nem fim. Eles sempre vinham até nós, e nós arranjávamos tudo e estabelecíamos um padrão de gravação. Costumávamos gravá-los também. Quando temos artistas que soam bem, eu sempre os carrego para o estúdio e os gravo.

Quem você gravou?
Tínhamos um grupo chamado The Manchesters. Fazemos uma música chamada ‘Selassie Bandman’. Esse é um grupo que costumávamos produzir, havia muitos mais artistas, mas não quero dizer nada, porque eles não dão crédito às pessoas na Jamaica pelo que fazem. Não há nenhum artista na Jamaica que eles não passem pelas minhas mãos e, assim que começam a se internacionalizar, não dizem a verdade a quem vêm em busca de ajuda.

Não é surpreendente ouvir que sua influência penetrou outros artistas em suas criações. Parece que muitos artistas não ficam com ela por tempo suficiente para criar uma música legal. Ao passo que eu gostei de ouvir muitas músicas que você escreveu.
Você tem muito imitador no negócio agora. Todo homem que foi o criador agora se torna um imitador para pegar dois xelins.

O tempo é difícil.
Bem, eles fazem parecer que é muito difícil. Quando Bob Marley acabou de me matar, consegui um contrato para cantar, onde eles nunca usariam minha fotografia no LP. Apenas minha voz e engane as pessoas dizendo que é Bob Marley. Havia muito dinheiro nisso, mas eu só digo não que é fingimento, quero ser eu mesmo. Veja, reggae é uma mensagem musical, é algo em que acredito. Não estou nisso por dinheiro … Porque se fosse por dinheiro que eu estava nisso, faria outra coisa. Eu tenho um monte de negócios diferentes, sou um bom comerciante. Mas a mensagem é obra do Todo-Poderoso. Na manhã em que me levanto e me vejo cantando – nunca tive a intenção de cantar, então sei que é um presente do Todo-Poderoso. Portanto, não posso fazer como um homem. Algum homem … a única coisa pela qual eles gostam de música é o dinheiro. Eu não rezo pela fama, eu rezo pela vida, porque a vida é Deus – para que serve um homem morto, ele não pode louvar a Deus quando está morto! Por isso, sempre oro a Deus pela vida, nunca por dinheiro. E eu não venho fazer show por dinheiro. Venho fazer show pelo amor, pela vibração e pela mensagem na música.

Fonte: https://www.reggae-vibes.com/